Quando os medidores de potência começaram a se popularizar, há mais de uma década, alguns atletas profissionais abandonaram os monitores cardíacos apenas para aderir as novas tecnologias.

 

Os medidores de potência sempre tiveram a fama de ser mais precisos e ferramentas mais controladoras de estímulos e resultados dos treinamentos, o que não deixa de ser verdade.

Embora esse discurso de precisão na potência seja verdade e que os dados de freqüência cardíaca podem ser afetados por algumas variáveis como temperatura, cansaço, desidratação e até estresse, essa ferramenta de treinamento “antiga” está realmente em desuso e se tornou inútil nos treinamentos modernos?

 

A Importância da potência

Vejamos, a frase mais popular de um atleta que usa um medidor de potência, quando vai defender o seu investimento é: “Watts são sempre Watts”. Porque não faz diferença uma estrada plana no frio ou uma montanha no calor, os watts sempre vão medir seu esforço, independentemente do terreno, da temperatura ou outros fatores fisiológicos.

Um medidor de potência é muito útil para avaliar de forma precisa a força de ciclistas diferentes calculando a potência dividida pelo peso peso corporal, transformando nos famosos “watt/kg”.

 

É preciso entender que medidor de potência é uma referência à carga de trabalho muscular. Por exemplo, quando alguém vai para a academia, utiliza a medida em quilos para “calibrar” os exercícios realizados. Ao realizar seus treinos tendo como base um medidor de potência, você estará realizando um treinamento específico para os músculos. Afinal, os watts têm valor constante, assim como os pesos que levantamos na academia.

Para muitos atletas, acompanhar estes números durante os seus próprios treinos e corridas é uma forma fácil de analisar os seus ganhos de performance durante curtos períodos de tempo, quando as variáveis externas podem ser minimizadas.

 

A Importância da frequência cardíaca

Ainda que os dados dos medidores cardíacos estejam sejam ignorados por alguns atletas é preciso entender que esse discurso de que “um é melhor que o outro” não está correto.

A medida dada em energia “watt” é invariável, 200w sempre serão 200w, mas será que para o seu corpo produzir 200w o custo energético será sempre o mesmo?

Com certeza você já ouviu algum amigo que usa um medidor de potência usar a expressão “um watt é um watt”. É claro que isso é verdade, mas o preço que o seu corpo paga para produzir esses watts é que pode variar.

 

Um exemplo de fácil compreensão, mesmo que você não tenha vivido a experiência, segurar 200w no primeiro dia do Brasil Ride é uma coisa, agora segurar os mesmos 200w no último dia de prova, com seu corpo exausto do acumulo da competição é outra coisa.

A potência é um ferramenta muito especifica e precisa, mas seguindo a linha de raciocínio pra quem já frequentou academia sabe que “tem dias que os pesos parecem mais pesados”, mas assim como a potência “quilos são sempre quilos”.

Tudo isso é pra que você entenda que, a resposta do seu corpo ao estresse dos treinos afeta diretamente seu desempenho na bicicleta. Utilizar os dados do monitor cardíaco durante seus treinos de ciclismo ou mtb, te ajuda a e perceber como está sua recuperação, outros sinais de fadiga podem estar relacionados à falta de sono ou estresse, coisas que você não vai analisar se estiver utilizando somente o medidor de potência.

A potência irá te dar uma resposta imediata de como estão as suas pernas, mas o monitor cardíaco te dará ma resposta mais abrangente sobre o seu corpo.

 

A Importância de utilizar potência e batimentos cardíacos de forma conjugada

Se você é um atleta que utiliza a bicicleta como equipamento de treinamento, buscando desempenho, performance e corridas, você precisa analisar potência e freqüência cardíaca como duas peças de um quebra-cabeça gigante.

Atletas precisam aliar o maior número de informações possíveis, monitor cardíaco, potência, cadência, sono, alimentação, clima, níveis de estresse e até a hora do dia em que você treina é importante para compreensão de seu corpo.

Isolar e seguir apenas uma dessas medidas é simplificar demais a coisa, treinamento é algo complexo, conhecer seu corpo, saber o momento certo de treinar mais forte, ou o momento de descansar, tudo isso se torna menos complexo se várias informações forem analisadas de forma coletiva.

 

Alguns exemplos:

 

Analisando somente a potência, você pode estar cansado demais, os batimentos cardíacos não sobem, mas você segue a planilha e cumpre os watts de cada intervalo. Seu corpo pode não aproveitar o treino, porque está cada vez mais cansado, mesmo você seguindo a planilha, isso acontece porque outros fatores podem estar te cansando.

 

Analisando somente o batimento cardíaco, você está realizando os intervalos e está tudo muito fácil, os números de potência estão caindo, isso pode ser um sinal de que sua avaliação física está desatualizada, você precisa manter seus dados atualizados pois pode ter havido uma melhora na performance e você está treinando abaixo do ideal.

 

É preciso ressaltar que a individualidade precisa ser respeitada inúmeros fatores influenciam de forma diferente cada atleta como cansaço, motivação, ou as expectativas que outros depositam em você, ou até as suas expectativas podem alterar seu rendimento físico no dia a dia.

 

Embora os princípios fisiológicos gerais sejam os mesmos para todos, nós respondemos diferentemente individualmente.

 

Mas se você realmente quer se comprometer com sua performance e sua saúde procure um treinador capacitado que possa te orientar de forma personalizada e correta.

 

 

Para informações sobre como nos mandar produtos ou parcerias, mande um e-mail para: comercial@marconiribeiro.com.br

Compartilhe este post: