Você treina por meses para a uma corrida de ciclismo ou MTB, ou uma corrida por etapas, as famosas stage races. Suas pernas e corpo estão bem, você se sente bem. Essas horas de esforço – dedicadas aos treinos em dias de sol, chuva, frio – foram tempo e investimento gastos para ficar pronto para que você possa ter o melhor desempenho na temporada de corridas.
Mas quantos de nós gastamos tanto tempo preparando nossas cabeças? Nossos cérebros estão prontos para corridas?

A maioria de nós têm o hábito de deixar a preparação mental fora de nossa lista de coisas a fazer, esperando uma grande dose de sorte. Infelizmente, essa é uma estratégia que deixa muito a desejar e pode desperdiçar todo o esforço físico que fizemos.
Porém com apenas 30 minutos você pode desenvolver habilidades mentais que te ajudarão a fazer jus aos treinamentos.

1. Parcelar

Você pode dividir a corrida em etapas, criar pequenos objetivos, pois a cada meta atingida doses de endorfina serão liberadas toda vez que atingir um de seus objetivos
Sendo bem especifico, parcelar a corrida significa criar vários pequenos segmentos nas suas corridas de ciclismo ou MTB o que facilita a gestão do que está acontecendo, porque esses pequenos segmentos são mais gerenciáveis. Quando a largamos numa corrida de ciclismo ou MTB não podemos simplesmente abaixar a cabeça e fazer força, é necessário ter o controle das coisas.
Cada vez que alcançamos uma meta ou objetivo obtemos uma dose de dopamina (um produto químico cerebral ligado à recompensa), que nos dá muitas pequenas ondas de prazer. Quanto mais objetivos alcançamos, mais frequentemente teremos nossa onda de prazer, com isso nos sentimos bem e assim, por sua vez, aumentamos nossa confiança.

Mas como parcelar?

Antes da corrida, procure conhecer o percurso, olhar a altimetria, veja se há divisões naturalmente criadas. (ex: pontos de abastecimento nas provas de MTB, subidas muito longas) Circuitos obviamente são mais fáceis de dividir, mas em alguns casos as maratonas de MTB são em linha e você precisará encontrar ou criar as suas divisões.
Para cada “pedaço” que você criar, escolha uma meta para focar. Pode ser tempo, média, nível de esforço, posição na corrida, etc.
Tente escrever esses objetivos, leia com atenção e se possível tente fixar na sua bike.

Marconi traçou como meta conquistar um título Mundial. Alcançou seu objetivo no XTerra no Havaí.

2. Verificando seu corpo

Quando você está na bike, uma distração pode fazer você cair no pelotão ou numa descida técnica de MTB e acabar com sua corrida ali mesmo. Então, precisamos checar o nosso corpo e fazê-lo regularmente. Manter a técnica e o foco, por mais cansados que estejamos.
Se monitorarmos regularmente nosso corpo e ajustarmos nosso ritmo ou estratégia, poderemos dominar melhor a nossa corrida, responder melhor aos concorrentes e a dinâmica da corrida. Você precisa se tornar hiper-consciente de suas ações e funções corporais, como; ritmo cardíaco, tensão muscular, respiração e assim por diante, e isso garantirá que você prossiga no controle para andar bem e acelerar quando puder.
Isso não é apenas para te ajudar a ter um melhor desempenho; estudos comprovam que os atletas que usam essa técnica encontram mais prazer em seu esporte.

Mas como verificar o corpo?

Escolha pontos “tranquilos” na corrida onde você irá se concentrar em seu corpo, sua posição, nível de esforço e técnica.


Comece com os pés e passe pelo corpo, considerando cada parte do corpo para garantir que as coisas estejam funcionando da maneira mais eficiente possível. Se não estiver, tente mudar sua posição.
Buscar essa percepção nos treinos vai te ajudar e tornar mais fácil de fazer essa verificação na pressão da corrida.

3. Alterar o diálogo interno

Todos nós temos essas conversas internas: centenas de pensamentos que passam por nossas cabeças o dia todo, todos os dias. Esses pensamentos têm uma enorme influência sobre nosso comportamento, nossa motivação e a confiança que ganhamos, ou perdemos!
Não é possível forçar nossos diálogos internos a serem 100% positivos, mas podemos trabalhar para torná-la útil, para que mesmo na dificuldade possamos crescer.
Quando esse diálogo é negativo, (ex: o que eu estou fazendo aqui?) podemos transformar uma corrida que está sendo bem-sucedida em um desastre – auto-sabotagem – criando barreiras para os nossos esforços e diminuindo nossa confiança.

Pesquisas demonstram que a “positividade” interna pode prolongar o tempo que nos leva a atingir exaustão, melhorar nossa atenção, confiança e controle. E isso nos ajuda a ver as corridas como desafios, e não como ameaças. Todos estes aspectos melhoram o nosso desempenho nas corridas de ciclismo ou MTB.
Uma conversa positiva pode realmente aumentar sua confiança e seu desempenho, então comece a incorporá-la em seu treinamento. Para tornar esse diálogo interno útil, podemos visualizá-la vindo do nosso treinador dando instruções enquanto estamos na corrida, ajudando-nos a manter a calma, a usar táticas ou a nos manter concentrados em tentar fazer o melhor, ao invés de nos concentrarmos em não estragar.

Como mudar o diálogo interno?

Primeiro, pense nos momentos das em corridas em que você sofre mais. Considere, agora, o que você faria nessas situações em um estado mental ideal, tomando a decisão com calma.
Assim, transforme essas estratégias em instruções breves; considere instruções sobre concentração, como resolver problemas, posição do corpo ou táticas.
A instrução precisa ser positiva, uma ação a ser tomada. Algo a fazer, em vez de algo a ser evitado.
Construa essa instrução em uma frase curta que você pode lembrar e repetir ritmicamente.

Conclusão

Realizar tudo isso sob a pressão em uma corrida não será fácil, mas pode ser muito mais fácil se usarmos a técnica de ‘parcele, verifique e dialogue’ para ajudar a criar foco e confiança. Isso, por sua vez, aumentará o seu desempenho.

Essas e outras dicas você poderá encontrar na mentoria.

Para informações sobre como nos mandar produtos ou parcerias, mande um e-mail para: comercial@marconiribeiro.com.br

Compartilhe este post: